mar afro-brasileiro

Oferenda para Yemanjá

Tenho trilhado esse caminho. Vou ao mar. Levo oferenda. Passam dias. Vou ao mar. Levo oferenda. De manhã cedo, vou ao mar. Levo oferenda. Na areia úmida, vou ao mar. Levo oferenda. Eu vou lá, areia, sal e mar, levo oferenda. É o que sempre desenho. Ninguém vê. Mas eu posso fazer qualquer traço, que todo movimento que há, o mar está lá. O vestido branco, a flor azul, é areia, é areia, é areia. Todos os meus caminhos são de areia. Todo vai e vem são ondas do mar. Todo peixe é de Yemanjá.

Mar afro-brasileiro, o que há nele ? Nosso mar é da invasão. Nosso mar é afro-diaspórico. Nossas águas são de Yara, são de Yemanjá. Nosso mar tem identidade, não é só bela paisagem. Nosso mar tem tensão. Teve disputa. Tem espaço-tempo. Tem colonialidade e decolonialidade. Tem memória. Tem ancestralidade.

Atlântico hoje

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s