A escuta de uma voz

Hoje dei continuidade a uma etapa final, muito importante, de um longo trabalho que está sendo realizado, bem na verdade, desde 2015. Esse registro fotográfico, feito pelo querido artista Ronald Valle, realizado ao final de uma gravação, simboliza bem um momento de encaminhamento para finalização de uma etapa. Mas essa etapa de gravação é específica. De um trabalho que está sendo elaborado a partir de uma performance, “Procissão de Pretos Velhos: da Aymoré ao Cruzeiro das Almas”, realizada em 2019, na exposição “Plural”, Galeria Aymoré.

Gravação do “Ponto Maria Conga”

O que falei anteriormente tem a ver com minha prática artística, sendo vista de forma mais ampla, contemplando um grupo de trabalhos realizados no Ateliê Terreiro no Rio de Janeiro. Ronald Valle não é apenas o fotógrafo dessa foto. Ele é muito mais. É a chave da equipe desse singelo projeto, porque ele é músico e regente, sabe tudo de música, especificamente, de um instrumento muito especial, a voz. Ele cuida da minha voz. Ele orienta minha voz. E quero contar, que nós estamos fazendo um trabalho muito legal, que vou poder mostrar, logo mais à frente.

A escuta de uma voz é o grande aprendizado desse trabalho. Seja a voz das Pretas e Pretos Velhos, seja a minha voz modulada pelo amor a essa consciência africana sagrada. Entendo que a saudação, “Adorei as Almas”, que nós praticantes da Umbanda enunciamos, toca todos os mecanismos: a música, uma voz, o canto, um galhinho de arruda. É como um rio que sempre encontra o caminho para desaguar no mar. A saudação se espalha, e, nós, adorando, vamos fazendo, cada vez mais arte.

Posted In

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s